Eleição é uma questão tática

às urnas, em defesa da democracia e dos direitos dos trabalhadores

Luiz Alberto Barreto Leite Sanz

Com o respeito inabalável que dedico a todos os camaradas que têm a coragem de assumir-se como libertários e/ou anarquistas, mergulhando nas tarefas cotidianas de mudar o mundo mesmo que saibamos que a maior parte de nós não o verá mudado, argumento que estamos tomando por estratégica uma palavra de ordem tática. Nem sempre os anarquistas se abstiveram ou anularam seus votos. Em 1936, no Estado Espanhol, os anarquistas foram às urnas em apoio à Frente Popular, da qual não faziam parte, para impedir a vitória eleitoral do fascismo. Este ano, os libertários mexicanos reunidos em torno do EZLN e do Conselho Nacional Indígena lançaram à Presidência da República a médica tradicional do povo nahua María de Jesús Patrício Martínez, porta-voz do Conselho Indígena de Governo. O objetivo? Deixar claro o caráter enganador das eleições gerais mexicanas e a independência do movimento indígena ante os conluios eleitorais.

Penso que estamos em uma situação semelhante à vivida no Estado Espanhol na que foi a última eleição da II República. A Frente Popular não era muito diferente do que é a aliança em torno a #FernandoHaddad e a Frente Nacional de Gil Robles tampouco diferia muito do que é o amontoado direitista de Bolsonaro. Em lugar do clero católico encabeçado pela Opus Dei, temos os neopentecostais.

Eu me abstive no primeiro turno, coerente com a convicção de que deveria ficar patente que a rejeição é tão grande que torna ilegítima a vitória de qualquer das partes. Neste segundo turno, frente à possibilidade de vitória eleitoral dos fascistas e a ameaça de golpe implícita no decreto do General Etchegoyen assinado pelo sr. Michel Temer,

votarei #contraofascismo

votarei #Haddad,

sem que isto signifique que apoio sua política, seu partido e seus aliados. E convido a todos que prefiram lutar em liberdade por uma sociedade mais justa para que se somem à

#ResistênciaAntifascista

#bolsonaronão

Teatro de fantoches

Escrevo este artigo ainda sob o impacto do decreto que ressuscita o DOI-CODI, agora com o nome pomposo de Força-Tarefa de Inteligência para o enfrentamento ao crime organizado no Brasil. Foi emitido no dia 15, na surdina, pelo atual desgoverno, cuja persona mais forte, e que vai coordenar o “novo” órgão centralizador da repressão, é o General Sergio Etchegoyen, que o assina juntamente com o “Presidente” Michel Temer.

É a mais importante novidade do quadro político no Brasil, embora já houvesse pistas de que poderia acontecer. Mas não percebo reação significativa das forças antifascistas e democráticas, nem mesmo dos grupamentos envolvidos no embate eleitoral. A mais consistente veio do jornalista Luís Nassif, no GGN, no dia 17, em artigo que terminava com a frase: “Bem-vindos de volta ao inferno!” Compartilhada a informação nas redes sociais, houve uma resposta considerável, porém as duas campanhas, que eu saiba, ficaram caladas.

No mesmo dia 17 (ainda não lera a coluna do Nassif), compartilhei o texto do decreto no Face Book e no G+, dizendo:

Renasce, por decreto, o DOI-CODI, agora com o nome pomposo de Força-Tarefa de Inteligência para o enfrentamento ao crime organizado no Brasil. (…) Nem esperaram o resultado da eleição, ainda indefinida. Querem deixar lastro para que as ações repressivas não tenham que passar por um Presidente Civil. O poder, desde já, está nas mãos do General Etchegoyen, filho e neto dos generais Etchegoyen de má memória. Confirma-se a condição de fantoche do senhor Michel Temer. A mão que o manipula tem punho de ferro.

Comentando a preocupação de uma colega quanto ao conteúdo do decreto, na mesma postagem, escrevi:

Sim, amiga! Os generais preparam-se para intervir, penso eu, qualquer que seja o resultado. É impensável para eles servirem sob as ordens de um petista em um país dividido. Mas também é impensável servir sob as ordens de um capitão, conhecido na tropa como “bunda suja” e que foi dispensado, enviado para a reforma, aos 32 anos por insubordinação e outras violações do Regimento Disciplinar do Exército, o famoso RDE.

Silêncio ruidoso

É preocupante o silêncio do PT e de seu candidato a respeito das consequências deste documento que Nassif e outros colegas da Imprensa chamaram de preparação para o Ato Institucional Nº 1 “do novo regime”.

Que a campanha da extrema direita não se pronuncie, é natural. Seus membros pensam que essa Força-Tarefa os fortalecerá, que o General Etchegoyen e seus pares se submeterão ao capitão insubordinado. Algo semelhante pensaram os articuladores do golpe no Chile em 1973. Em suas comunicações internas chamavam Pinochet de Chapeuzinho Vermelho (é melhor do que “Bunda Suja”). Acabaram engolidos pela “menininha ingênua” que se mostrou um ditador voraz.

Esquecem os bolsonaristas e seus estrategos que a seus atos de campanha, organização de milícias, agressões orquestradas contra seus adversários, postagens nas redes sociais de apoiadores empunhando armas, caem como uma luva as caracterizações de formação de quadrilha e crime organizado, embora o decreto tenha como alvo principal os movimentos sociais e agrupamentos de esquerda e libertários. Seu candidato não conseguiu formar-se na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais. Os generais da ativa (não os generais de brigada reformados, que chegaram ao posto graças à aposentadoria) cursaram a Escola Superior de Guerra, a famosa “Sorbonne”, na qual foram gestados o golpe de 1964 e os Governos da Ditadura.

Lá estudaram, entre outras coisas, a ascensão e queda do nazismo e do fascismo italiano. Puderam investigar as consequências nefastas, para a aristocracia militar alemã, de alinhar-se a um regime comandado por um cabo do Exército desqualificado e transformado em mito por hábeis intelectuais pequeno-burgueses especialistas em manipulação das massas e por intelectuais orgânicos do lumpesinato que recrutaram a bandidagem, os descontentes com a situação econômica e social do país e todos os tipos de aventureiros para organizá-los em suas milícias, as SA e as SS e na GESTAPO. As SS, logo, foram transformadas em tropa de elite, com poder maior que o das forças armadas regulares, inclusive seus comandantes. Quando os generais perceberam que não poderiam manipular o cabo, era tarde demais. Estavam enfiados até o pescoço em uma guerra que não podiam vencer.

Abandono e desilusão

As esquerdas, incluídos os libertários (por menos que gostem disto), costumam subestimar seus adversários ou escolher errado seus rivais. Preferem brigar entre elas, em busca da hegemonia. A situação atual reflete tais vícios. Há uma surpresa geral com o crescimento da opção pela extrema direita, apesar de ser tendência mundial.

Os socialdemocratas (PT, PDT) perderam décadas dedicando-se a alcançar o poder governamental, fortalecer seus partidos e expandir suas bases eleitorais. Chegando ao governo, cooptaram os melhores quadros “de massa”, aqueles enraizados nos locais de trabalho, moradia e estudo para ocuparem postos nas burocracias governamentais, parlamentares e judiciais. E neutralizaram a ação dos sindicatos, convencidos de que os movimentos sociais que se enfrentassem ao Governo socialdemocrata estariam servindo aos inimigos de classe. Confundiram classe com partido e partido com Governo, repetindo erros históricos que remetem, pelo menos, à Revolução Francesa.

Deixaram um vazio que veio a ser ocupado pelos dissidentes de suas próprias organizações, por milicianos egressos das forças policiais, pelo lumpesinato armado com fuzis e entorpecentes e estruturado segundo normas aprendidas no convívio com presos políticos nos “anos de chumbo”, e também pelos pastores e “obreiros” neopentecostais. Todos oferecendo algum tipo de fé, conforto, agonia.

Quando a política econômica e social do que seria o Governo da Classe Trabalhadora encontrou uma crise no caminho, em parte provocada por seus verdadeiros adversários, o capital financeiro, que enriquecera ainda mais durante sua gestão, as massas começaram a abandoná-los, desestimuladas, percebendo que, à maneira de Getúlio, o Governo era o pai dos pobres, mas a mãe dos ricos. Como resposta, os governantes abriram novas negociações com aqueles que estavam agindo para derrubá-los. Foram perdendo os “aliados”, que pediam mais e não cumpriam o combinado. E o povo, principal beneficiado pelas políticas sociais, também se foi, desencantado ao descobrir que o que lhe fora concedido, dando-lhe esperança, não fora conquistado e se esvaía como fumaça e percebeu estar sem interlocutores que o ajudassem a entender o quadro confuso.

Não-voto e rejeição do estado

Os libertários, em particular os anarquistas, não abandonaram as bases, continuaram a organizar os trabalhadores e trabalhadoras, estudantes e famílias, moradores e moradoras e os sem teto. E com eles fundam e mantêm creches, escolas, bibliotecas e centros sociais. Em geral, sem abrir mão das convicções sobre o papel ilusionista e enganador da chamada democracia representativa e das eleições como estratégia transformadora da sociedade.

As palavras de ordem Abstenção e Voto Nulo tiveram, nas duas últimas eleições, uma repercussão talvez só equivalente à das eleições de 1974, em que mais de 50% dos alistados se abstiveram ou votaram nulo ou em branco. No entanto, eu me permito afirmar, sem comprovação, que essa estatística não representa uma adesão da maioria dos que se abstiveram, anularam ou comprimiram o botão da indiferença ao não-voto consciente.

A maior parte das pessoas que conheço que adotaram o não-voto não rejeitam o estado ou a sociedade. Rejeitam os partidos na medida em que os interpretam como ratatulhas, ajuntamentos de pessoas reles, infames, moral ou socialmente desprezíveis. Mas, na sua desesperança, ainda esperam que surja alguém em quem possam confiar. Precisamos mostrar-lhes que só podem confiar em si mesmos, em sua retidão, em seu compromisso com sua classe e seus iguais. Que o caminho está na democracia direta, na horizontalidade das decisões, no federalismo comunitário.

Saudações libertárias! Saudações democráticas!

Anúncios

Contagem Regressiva

Série documental em quatro partes:
Remoções – https://www.youtube.com/watch?v=OoblOhnXCyE&t=53s
Controle Urbano – https://www.youtube.com/watch?v=OoblOhnXCyE&t=53s
Zona Portuáriahttps://www.youtube.com/watch?v=sT6BAbnKD68&t=53s
Mobilidade – https://www.youtube.com/watch?v=qt6kuxTHnJs&t=68s
Melhor Documentário e Melhor Trilha Sonora no RioWebFest2016
Realização: Justiça Global e Couro de Rato (2016)


Uma viagem no espaço-tempo

Luiz Alberto Sanz

No curso científico (o atual ensino médio), fui implacavelmente mal em Física, o que me convenceu a largar os estudos e dedicar-me ao Jornalismo e às Artes do Espetáculo. Apesar dessa inimizade entre mim e a Ciência, sempre me fascinaram contos e romances de Ficção Científica, sobretudo os que difundiam conhecimentos e especulações sobre o espaço-tempo, viagens temporais ou intergaláticas, “buracos de minhoca” e multiversos.

Com o correr dos anos, pesquisando a linguagem cinematográfica, passei a compreender os filmes, grosso modo, como representações físicas de fatias do espaço-tempo, em que as três dimensões visíveis (profundidade, largura e altura) são comprimidas[1] e a quarta, o tempo, assume papel preponderante. Apesar de ser apenas percebida, é a que permite identificar ou diferençar dois eventos idênticos que ocorrem no mesmo ponto do espaço. Segundo uma citação muito repetida de Einstein o tempo é “uma ilusão. A distinção entre passado, presente e futuro não passa de uma firme e persistente ilusão”).

Roteirizando CD-Roms educativos, passei a ver hiperlinks de texto, imagem e vídeo como portais ligando determinados eventos (pontos no espaço-tempo) com pessoas, personagens e acontecimentos passados e futuros e/ou universos paralelos[2].

Transmutação e distanciamento

A série documental Contagem Regressiva, de Luis Carlos de Alencar, é um bom exemplo desta minha visão. Não só é uma tetralogia em que eventos e pessoas de um episódio dialogam com os de outros, paralelos no tempo e no espaço, mas também abre esses portais para o que já aconteceu ou ainda está por vir. Além do mais, o que muito me agrada, o distanciamento de sua linguagem contribui para que o espectador reflita e construa, autonomamente, conexões com o tempo e o espaço atuais, retirando ao filme e aos fatos e pensamentos nele expostos o mero caráter de registros.

E aqui surge outra característica essencial dos registros, sobretudo os audiovisuais. Adquirem novos propósitos com o tempo, sem perder os originais. Transmutam-se. Em Dramaturgia da Informação Radiofônica[3], tratei deste fenômeno, que é comum às diferentes linguagens da Comunicação Social e das Artes Espetaculares, que se comunicarão

[…] sempre no presente, independentemente de emitir reprises, documentos históricos ou qualquer outro aspecto ligado à memória. A transmissão e a recepção estarão acontecendo naquele e só naquele instante. Reprises e retrospectivas trazem de volta ao presente o acontecido, a coisa feita, a ação agida. (…) só existem concretamente enquanto estão no ar (…). No momento seguinte serão lembrança, como no anterior foram expectativa, antecipação. [Capítulo III – Tempo e Espaço, do real ao imaginário, p63]

O espectador terá uma sensação nova a cada exibição.

Por mais conhecida que uma obra seja, ele perceberá sons e ideias que não correspondem ao registrado em sua alma e em seu consciente. Pode frustrar-se ou apaixonar-se ainda mais. Pode assombrar-se com detalhes que não apreendera da primeira vez. Mas cada audição será única e atual. Modificam-se as condições de transmissão e recepção. Não apenas do ponto de vista tecnológico. Também os tempos psicológico e biológico do ouvinte já não serão os mesmos, alterando sua receptividade. A ação – uma das três unidades clássicas (ação, tempo e espaço) – é dos fatores mais importantes que conduzem a isso. Dialeticamente, modifica a percepção do público e abre caminho para, numa segunda audição, a descoberta de aspectos não pressentidos. [idem]

Assim, as malfeitorias de autoridades e ex-governantes e a bravura, clareza crítica e compreensão da realidade dos resistentes nas lutas que antecederam os grandes eventos mediáticos e financeiros objeto do filme podem ser vistas e entendidas no cenário das suas consequências. Mas também lá está, capturada na sua mente como em um cubo no qual convive paradoxalmente com ela mesma, a História recente, atual e futura da luta de classes.

Sem distanciamento não há reflexão. O espectador purga o sofrimento dos personagens, sofre-o com eles, torna-se vítima dos malfeitores de sempre, os que oprimem, reprimem. Não é chamado a traçar suas próprias estratégias e táticas. Pode, reconheço, ser incitado a rebelar-se. Mas não se transmuta, transforma. Segue as regras do jogo. Não as define.

Tenho viajado com e por Contagem Regressiva enquanto escrevo e reflito. São meus guias suas ferramentas dramatúrgicas: roteiro, diálogos, fotografia, captação de som, trilha musical e de ruídos, locações, edição e direção (esta regência própria do fazer cinematográfico). E, como referências, os saberes, emoções e conhecimentos que formam o mosaico da minha compreensão do mundo. O que vivi, li, vi e escutei.

Caixa de mudança

Na série me fascinam, sobretudo, os prólogos e epílogos poéticos. Reforçam belamente as conexões entre os eventos, sequências e episódios. Desempenham um papel fundamental na construção e consolidação desse distanciamento que sobressai como a veia principal da dramaturgia do filme. Porém, Contagem Regressiva é obra de criação coletiva, um caleidoscópio no qual cada participante, incluindo o espectador, é um criador. E cada fragmento (planos, ruídos, falas, locação…) é uma unidade diferenciada que interage com outras em uma unidade de alta complexidade [4]. Não há desarmonia, mas tampouco há pasteurização. Cada um dos mosaicos que se sucedem no caleidoscópio, assim como cada um dos fragmentos que os compõem, pode ser recombinado, mas suas partes essenciais seguirão inseparáveis, pois contêm o todo.

Os versos de Eliane Freitas e a música tema de Mano Teko e MC Lasca circunscrevem cada episódio, no que seriam, convencionalmente, começo e fim, mas que, de fato, são aberturas, passagens de e para o tempo atual e outras narrativas.

— Quanto cabe na caixa de mudança?

Pergunta Elaine Freitas aos 16 segundos de Remoções. Sua voz suave, serena, amigável, contrasta com as ruínas captadas pelas imagens. A melancólica música de fundo serve de moldura e ajuda a perceber que aqui se fala de muitas caixas de mudança, não só das que recolherão

Os passos da primeira infância?
As paredes pintadas com nossas cores preferidas?
O sangue e a dor desta ferida
aberta à força do trator
tentando derrubar a história de conquista da moradia?

Estamos juntos, personagens, espectadores e realizadores, penetrando em uma caixa tetradimensional que nos mudará, para melhor ou para pior.

Logo mais, o funk carioca de Mano Teko e MC Lasca faz uma síntese e opina sobre o que vem e vai, enquanto corre o clip que introduz os títulos da série e do episódio:

Contagem regressiva para os jogos
Maior número de corpos
Medalha de caveirão
Recado desse prefeito é claro
Periquito um fracasso da militarização (dá não)
Trocar esse governo muda nada
Genocídio salta alto
Vem bala, vem remoção
Porto maravilha atende a quem?
Sem hoje, amanhã não tem
Sangue nos olhos, pé no chão

Este é, formalmente, o primeiro episódio da série. O que, considero, não passa de uma convenção. Poderá ser embaralhado com os outros, como acontece no Youtube, e assistido “fora de ordem”, livre da lógica aristotélica que condiciona a poética e a dramaturgia a terem princípios, meios e fins.

O que nos impede de começar pelo quarto episódio e ficar sabendo, com tristeza, que Elaine Freitas morreu, em 20 de julho de 2016, antes de a tetralogia ser terminada? De ouvir seus versos finais ditos para a câmera e senti-los no percurso das próximas três partes dessa nossa história, como um estímulo à nossas razão e imaginação?

O mundo que a gente nasceu sabendo conquistar
Se reduz ao chão na cidade de exceção:
Ali vai ficar a ruína da casa da qual me empurraram pra fora
A ruína do corpo sem nome ou memória
Da vida no vão pra outra ocupar seu lugar na plataforma.
Mas isso importa?
Com tantos fogos de artifícios pra distrair,
Com tanta convicção vazia para disputas entre bandeiras,
Como quebrar o silêncio ruidoso da celebração com as pedras dessas ruínas?
Uma voz é fraca pra gritar quando se encontra sozinha.
Só o encontro e o confronto desativam a bomba relógio em contagem regressiva.
Coletiva, uma nova construção pode ser erguida.
Coletiva, uma nova construção pode ser erguida.
[Elaine Freitas]

Polifonia

O que importa a cronologia, se agora está tudo acontecendo no mesmo momento e no mesmo lugar? Se vamos encontrar, no percurso, interlocutores articulados que nos revelam a realidade e os sonhos da Estradinha, da Favela do Metrô, da Vila Recreio 2, da Vila Harmonia, de Pedra de Guaratiba, Saúde, Gamboa, Santo Cristo, Morro do Pinto,

Acari, Alemão, Maré,
Providência, Chapéu, Cantagalo,
Pavão, Babilônia, Jacaré,
Manguinhos, São Carlos:

toda favela sempre sabe,
quando cala ou quando grita,
que a mão a ordenar e enfeitar a cidade
é a mesma mão que engatilha a chacina.
[Elaine Freitas]

Dores e anseios de todos, os negros, pobres e marginalizados da cidade, da região que a engloba, do estado que faliu junto com o município e do país que jamais conheceu sequer os preceitos fundamentais da Revolução Burguesa: Liberdade, Fraternidade e muito menos a Igualdade, quanto mais os estabelecidos pelo socialista utópico Louis Blanc em 1839: De cada um conforme seus meios, a cada um conforme suas necessidades.

As falas desses interlocutores formam um coral polifônico em que as diferenças não são convicções vazias, nem lamúrias, mas sim pedras dessas ruínas e contribuem para quebrar o silêncio ruidoso que ainda perdura. São vozes da resistência organizada (essa que muitos juram não existir), que constroem o futuro, esteja escrito ou não no campo da Física. Informações e reflexões novas, repetidas, enfatizadas ou renovadas. É preciso reiterá-las, enquanto existam malfeitos e malfeitorias, enquanto existam poderosos e seus serviçais:

— O Prefeito pode vir, destruir uma casa, remover os entulhos, mas não consegue remover a História do coração do morador… (Irmã Fátima – Estradinha)

— Quanto mais essa cidade é uma cidade-espetáculo, quanto mais está prevista para megaeventos constantes, mais ela precisa garantir uma sensação de segurança. (Deley de Acari)

— De verdade, as melhorias que foram prometidas de esporte, lazer e tal… sinceramente, elas não aconteceram. Fora as tensões que a gente vive com essa situação que a gente não consegue lidar de uma forma amigável porque uma das partes não propõe afetividade… Propõe a repressão, propõe a opressão a todo momento… (Léo Lima – Jacarezinho)

—… a menor das perdas é a casa. O que você perde é a referência. Vocês chamam de pertencimento… (sorriso irônico) palavra nova, né?… (Jorge Santos – Vila Recreio 2)

—… esses jovens também, que estão dentro aqui, que são de periferia… Como é o deslocamento deles? Não se deslocam… Há um prejuízo cultural e de integração muito grande… (Leila de Souza Netto – Pedra de Guaratiba)

Não importa a ordem, cada parte contém o todo.

— A gentrificação mudou muito a favela. As pessoas não se conhecem mais. Os negros que habitavam a comunidade, muitos deles saíram. São os gringos que estão vindo e estão comprando. (Ivanete Aleluia – Vidigal)

— A mídia comercial sempre diz que a gente é minoria, que a gente não tem cultura ou que a gente precisa de alguma interferência do estado. Mas, na verdade, essa interferência do estado é sempre por meio da segurança pública e a gente sempre defende a ideia de que a gente é maioria, de que a gente tem cultura e que na verdade eles precisam controlar a gente porque a gente é revoltado, sim, com a nossa miséria, com a nossa pobreza, com o tanque de guerra que extermina a gente, com o caveirão que está exterminando a gente e com as UPPs que estão acabando com as nossas favelas. (Gizele Martins – Maré)

—… Minha Casa, Minha Vida é pra quem não tem moradia. A gente tinha teto, sim, em comunidade, mas tinha. (Francis da Costa – Favela do Metrô)

— A gente está numa região onde entrou a UPP… Então, a pessoa ser pobre, preto e favelado… fica complicado… A gente tem que estar sempre atento, o tempo todo. Ultimamente há tiros de manhã, tarde, horas em que as crianças estão voltando da escola… (Saulo – Ocupa Alemão)

— A gente vem sofrendo… mas isso não vai passar… A intenção da Prefeitura é a Cidade Modelo. Essa cidade que não é pra pobre, não é pra camelô, não é pra morador de rua… (Maria dos Camelôs)

— Lá vêm eles, os homens brancos! Oferecem teleféricos, planos inclinados e outros planos… Mas, eu – e a favela – não quero teleférico! Eles querem o teleférico. Eles querem subir a favela e não querem se cansar. Mas nossas vós, nossas mães, subiam com lata d’água na cabeça, lá vai Maria, lá vai Maria! Elas não tinham Kombi, não tinham carro, muito menos teleférico. Mas tinham a força de Canudos e da Favela. Lá vêm eles, os homens brancos… (Cosme Felippsen – Providência)

Visibilidade e harmonia

Há tantas outras pessoas aqui não citadas, mas creditadas ao longo dos episódios pelos realizadores. Vozes e consciências a quem Contagem Regressiva dá a respeitosa visibilidade de protagonistas da História, que lhes é negada pelos meios de comunicação reacionários e pela pequena-burguesia bem-pensante, essa que se julga dona do saber, mas que não passa de posseira da verdade de seus dominadores.

Tal respeitosa visibilidade não seria suficiente se fosse apenas intenção, gentileza, reverência. Pelo contrário, a reverência e a excessiva polidez podem impedir os documentaristas de irem a fundo na revelação dos fatos ou no registro dos acontecimentos. Podem retirar do filme (afinal, um documentário como este é, gostem ou não os cineastas, uma grande reportagem audiovisual) duas coisas essenciais à dramaturgia: veracidade e verossimilhança.

Contagem Regressiva não me haveria conquistado apenas pelas intenções e discursos de seus interlocutores. Em primeiro lugar, essas motivações precisam ser percebidas e entendidas. Seriam insuficientes as palavras e os gestos desses interlocutores/entrevistados se não as ouvíssemos e os víssemos com clareza, se as captações, mesclas e edições de som e imagem não nos possibilitassem entender cada palavra, olhar os falantes nos olhos, perscrutar seus gestos, situá-los nos ambientes a que pertencem. Sentir o prazer de raciocinar ao mesmo tempo em que a ação se desenvolve e apreender as sutilezas dos gestos, as particularidades de cada cenário. E sem explicitações, perceber que esta caixa de mudança é libertária. Nada impõe. Deixa ao espectador a responsabilidade pela sua própria transmutação..

Quer dizer, aquela respeitosa visibilidade dada aos protagonistas e ao tema iria por água abaixo se os realizadores do filme não garantissem sua inteligibilidade, sem abandonar a preocupação com a forma.

Contagem Regressiva é belo, franco, claro; muito bem dirigido, fotografado, editado, roteirizado e musicado. Se há algo a destacar, é a harmonia de seu resultado e o espírito libertário que o move. Mas preciso dizer com todas as letras: ao contrário de grande parte dos filmes e programas audiovisuais brasileiros a que tenho assistido, maravilhou-me entender cada palavra dita ou cantada e ouvi-las em comunhão com imagens tão belas e fortes.


Roteiro e Direção: Luis Carlos de Alencar;
Argumento Original: Justiça Global, Luis Carlos de Alencar e
Marcel Gonnet Wainmayer;
Fotografia e Finalização: Vladimir Seixas;
Produção: Couro de Rato; Realização: Justiça Global e Couro de Rato;
Edição: Ricardo Gomes e Ricardo Moreira;
Poesia Original e declamação: Elaine Freitas;
Música Original: Contagem Regressiva – Mano Teko e Mc Lasca
(Prod. Jorginho Matarazo); Trilha Sonora: Andrigo de Lázaro;
Videografismo: Isac Maia;
Produção Executiva: Vladimir Seixas;
Assistentes de Fotografia e Still: Caroline da Luz e Henrique Gluck ;
Acervo Fotográfico: Luiz Baltar; Acervo Videográfico: Jornal A Nova Democracia.

Interlocutores:
Irmã Fatima – Estradinha, Jorge Santos, Francicleide Costa, Léo Lima, Gizele Carolina, Deley De Acari, Vanderley Cunha, Saulo Augusto, Lucas Herminio da Costa, @Maria dos Camelôs, Ivanete Aleluia, Ângela de Morais, Orlando Santos Junior, Cosme Felippsen – O Favelado, Roberto Santos Oqg, Renato Cosentino, Marlon Rocha, Marina Ribeiro, Raphael Gennaro, Flavia Mello, Leila de Souza Netto, Helen Nzinga, Monique Lima.


[1] Nas películas em 3D se produz um simulacro de tridimensionalidade, fundamentalmente para aumentar o potencial mercadológico de “enlatados” cujas dramaturgias corriqueiras buscam efeitos catárticos com o fim de bloquear toda possibilidade de o espectador refletir sobre a “realidade” que lhe é oferecida.

[2] Antes de continuar: tenho consciência de que não devo ser o primeiro a ver esta relação entre filmes (ou outros registros em áudio, foto e audiovisual) com o espaço-tempo, mas não conheço ou tenho na memória texto relevante que me possa servir de referência.

[3] Tese para o concurso de Titular de Jornalismo da UFF escrita em 1993, defendida em 1994 e publicada pela Editora Gama Filho em setembro de 1999. Fora de catálogo, pode ser encontrada em sebos físicos e virtuais.

[4] A quem interessar, recomendo a leitura de Introdução à Teoria das Estranhezas, do filósofo Ued Maluf, especialmente, às páginas 74 e 75, as definições de unidade de alta complexidade e inseparabilidade.